Header Ads

ad

Sobe para 99 o nº de mortos em Brumadinho; há 259 desaparecidos

Tragédia em MG: 57 corpos foram identificados até agora, segundo a Defesa Civil. Reportagem traz relatos do 6º dia de buscas na lama.
Número de mortos em Brumadinho sobe para 99, e 259 estão desaparecidos
Buscas estão no sexto dia. Tragédia foi provocada pelo rompimento de barragem da Vale em Minas Gerais; mineradora diz que vai doar R$ 100 mil a famílias de vítimas.
Por G1 MG
Refeitório da Vale segue como principal foco de buscas
A Defesa Civil de Minas Gerais informou, no fim da tarde desta quarta-feira (30), que há 99 mortos e 259 desaparecidos após a tragédia provocada pelo rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG).

Neste sexto dia de buscas, a chuva forte fez com que houvesse interrupções pontuais nos trabalhos, segundo o tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador-adjunto da Defesa Civil.

Dos 99 mortos confirmados até agora, 57 já foram identificados. Há ainda 259 desaparecidos. O número de pessoas desalojadas subiu de 135 para 175, segundo o governo de Minas Gerais.

A barragem de rejeitos, que ficava na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, se rompeu na sexta-feira (25). O mar de lama varreu a comunidade local e parte do centro administrativo e do refeitório da Vale. Entre as vítimas, estão pessoas que moravam no entorno e funcionários da mineradora. A vegetação e rios foram atingidos.

Números da tragédia
99 mortos confirmados – 57 identificados 
259 desaparecidos
192 resgatados 
393 localizados
De acordo com o delegado da Polícia Civil Arlen Bahia, os corpos resgatados da lama estão chegando ao Instituto Médico Legal (IML) em estado avançado de decomposição. "Então, a partir daí, principalmente em relação aos segmentos corpóreos, nós temos de montar um quebra-cabeça", afirmou. Diante da impossibilidade de reconhecimento facial por por impressões digitais, exames odontológicos e de DNA começam a ser feitos para identificação das vítimas.

Segundo o delegado, uma força-tarefa foi montada para agilizar a realização e divulgação desses exames. Ele afirmou ainda que, nesta quarta, o IML está fazendo agendamentos para colher material para exames de arcada dentária e de DNA.

O porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, comentou as dificuldades do trabalho de buscas. "Em primeiro lugar, é bem impactante. Pela força da lama, muitas vezes não é possível encontrar o corpo íntegro. Muitas vezes são localizados segmentos de corpos", afirmou. Segundo ele, o fato de o ambiente estar "tomado de lama" torna difícil diferenciar corpos humanos de outras matérias orgânicas ou animais.

"Às vezes, na busca visual no sobrevoo, como a gente tem aquele tom todo monocromático, isso também prejudica. Por isso que a gente utilizou uma série de equipamentos específicos. Os corpos que estavam no nível superficial – já foi feito o trabalho de recuperação deles. Agora entra numa característica mais técnica da operação, que a gente precisa fazer várias escavações."

Desde sábado (26) não são achados sobreviventes. Para os bombeiros, é muito pequena a possibilidade de achar alguém vivo em meio ao mar de lama.

O tenente coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil, afirmou ainda que a Vale vai estabelecer sete pontos de acolhimento para as vítimas.

Nesses locais, deve haver psicólogos, assistentes sociais, médicos e enfermeiros. Será oferecida alimentação à população presente, e também deve haver atendimento em relação a direitos trabalhistas e questões jurídicas. Todos devem receber transporte para esses locais de acolhimento e para o IML.
Agentes do Corpo de Bombeiros e brigadistas continuam trabalhando na escavação do local onde estão dois ônibus soterrados,no sexto dia de buscas por vítimas, após o rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Vale, no município de Brumadinho (MG) nesta quarta-feira (29) — Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Estadão Conteúdo
As buscas
Neste sexto dia, as buscas são feitas em todos os pontos atingidos pela lama. Ao todo, 15 helicópteros são usados pelas equipes de resgate.
Em entrevista na manhã desta quarta, o porta-voz do Comitê de Respostas Imediatas da empresa, Sérgio Leite, afirmou que este valor é por vítima. Ou seja, famílias que perderam mais de um parente receberão proporcionalmente.

Segundo ele, o dinheiro deve estar disponível nos próximos três dias. As famílias que têm direito à doação devem ir a um dos postos de atendimento criados pela Vale, a Estação de Conhecimento e o Centro Comunitário de Feijão, a partir das 14h da quinta-feira (31). Além destes dois pontos, a mineradora diz que criou um canal de atendimento telefônico para tirar dúvidas das famílias de vítimas da tragédia.

Animais resgatados
De acordo o tenente Ahiara, até o momento 32 animais foram resgatados. Eles estão em duas fazendas na região do Córrego do Feijão, onde, segundo a Defesa Civil, recebem tratamento, alimentação, medicamentos e são assistidos por veterinários – há mais de dez profissionais responsáveis pela tarefa.

O operação é coordenada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Além disso, três animais foram sacrificados, informou o porta-voz dos bombeiros. Ainda nesta terça, questionado sobre os casos de eutanásia, o tenente Aihara afirmou que "em alguns casos, o resgate não é viável pelo sofrimento do animal".

"No caso de alguns animais, que sofreram fraturas e perfurações, não é ético insistir. Seguimos as determinações e normativas. O abate só é feito após uma análise bastante cuidadosa e quando é devidamente autorizada. Via de regra, é feito com injeção letal, mas outras situações específicas devem ser analisadas. O Corpo de Bombeiros tem essa preocupação também."

Segundo autoridades, o abate geralmente é feito com injeção letal, mas isso pode mudar de acordo com a logística.

Em nota divulgada nesta terça, a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais informou que "em nenhum momento houve autorização por parte do Gabinete Militar do Governador/coordenadoria Estadual de Defesa Civil para o abate de animais aleatoriamente ou por meio de métodos em desacordo com as normas".

Tropas militares
Em nota, o governo de Minas Gerais informa que as tropas militares em Brumadinho receberam o reforço de 400 policiais para proteger o perímetro da chamada "área quente" (onde deve estar concentrado o maior número de vítima.

O objetivo também, é, segundo o comunicado, garantir a segurança da área rural, que tem 400 km quadrados de extensão. Os policiais ficam em 16 pontos de patrulhamento.

O porta-voz da Polícia Militar de Minas Gerais, major Flávio Santiago, afirma que tropas só deixarão o local "depois que as condições de segurança voltarem à normalidade". De acordo com ele, um casal foi preso em uma tentativa mal sucedida de saque.

Barragem 6 monitorada
A barragem 6, que transbordou após o rompimento da barragem 1, é monitorada 24 horas por dia. Segundo a Defesa Civil. Mesmo sem risco de novo rompimento, há necessidade de informar a população quanto a um eventual plano de contingência.

Segundo o tenente Pedro Aihara, em razão da acomodação do relevo da área, a barragem 6 é esvaziada para eliminar a possibilidade de uma nova tragédia.

Ela tem cerca de 110 mil litros de água, mas o nível pode aumentar em decorrência de chuvas e aquíferos que desaguam ali. Por isso, a água é bombeada para fora da barragem, principalmente durante a noite, quando não há militares trabalhando em área de lama.

Nesta quarta, a operação ganhou o reforço de um balão de monitoramento. Ele tem câmeras que, além de gravar imagens, registram mudanças de temperatura. Com isso, os bombeiros conseguem coordenar a operação e perceber qualquer movimentação nas barragens.

Operação de resgate em Brumadinho ganha reforço de balão de monitoramento

Homenagens
Na noite de terça-feira (29), parentes e amigos fizeram homenagens às vítimas. Eles acenderam velas e rezaram em Brumadinho.

Durante o dia, o Corpo de Bombeiros concentrou as buscas na área onde eles acreditam estar o refeitório da Vale. Cerca de 100 militares trabalharam na área e encontraram dois corpos, além de botijões de gás usados no refeitório da mineradora. Na área em que um ônibus soterrado foi localizado, outros 30 militares trabalharam.


Cerca de 80 bombeiros devem reforçar equipes e 400 PMs que vieram reforçar a segurança na cidade já estão trabalhando desde a madrugada.

Nenhum comentário