Header Ads

ad

TRAGÉDIA Jovens atletas amazonenses escapam de incêndio no CT do Flamengo, no Rio

Ryan Matheus e Ronald Vitor (Foto: Divulgação/Arquivo A Crítica)
Ryan Matheus, de 15 anos, e Ronald Vitor, de 13, jogam na categoria de base do clube carioca. Ontem eles não dormiram no CT
Manaus (AM)
Dois jovens atletas amazonenses que jogam na categoria de base do Flamengo escaparam do incêndio ocorrido na madrugada de hoje (8) no Centro de Treinamento do clube de futebol carioca, na cidade do Rio de Janeiro. São eles Ryan Matheus Rodrigues Santana Andrade, de 15 anos, e Ronald Vitor Viana Gomes, de 13, o “Ronald Manaus”. O incêndio deixou dez mortos e três feridos.

“Eu estou muito triste. Eu estava chorando aqui vendo a reportagem na TV. Foram os meus amigos que morreram”, disse, bastante emocionado e por telefone, à reportagem do Portal A Crítica, Ronald Manaus. “Ontem a gente chegou lá cedo. A gente sempre encontra os meninos do alojamento. A gente brinca muito, toma café com eles, faz os exames, treina. Somos todos muito amigos. Conhecia todos, o (Jhonatan Cruz) Ventura (sobrevivente), o João Vinícius. Agora deixa muita saudades os meninos da categoria”, completou Ronald.

Tanto Ronaldo como Ryan, e outros jogadores da base do Flamengo, tiveram o treino desta sexta (8) cancelado por causa das fortes chuvas na cidade. Os dois amazonenses não moram no alojamento do clube carioca por terem residência no Rio, mas regularmente dormiam no CT devido a treinos e jogos. Ontem à noite, por causa do cancelamento do treino, Ronald e Ryan, e outros jogadores, deixaram o CT e foram dormir em casa, o que os livrou de serem vítimas do incêndio.

Ryan Matheus mora no Rio faz cerca de um ano, junto com o pai, mãe e irmão, no bairro de Vargem Pequena. Ele joga na base do Flamengo desde agosto de 2018. O pai dele, Ronny Andrade, 37, conversou com a reportagem do Portal A Crítica. “Ontem, oito e meia, nove horas, ele me ligou e disse ‘pai, o treino foi cancelado. Vai ter só para a outra categoria’. Então eu disse ‘se arruma e me avisa quando for para eu passar aí’. Eu peguei ele e hoje de manhã acordamos com essa notícia trágica”, disse Ronny Andrade, pai de Ryan.

O “Ronald Manaus” também mora no Rio com a família, só que há mais tempo, faz três anos, no bairro de São Cristóvão. Há cerca de dois anos ele joga na base do Flamengo. “Eu estava dormindo, meu pai me acordou e pediu para eu ligar a TV, foi quando eu soube. Falaram primeiro que tinham sido funcionários mortos, mas eu vi que aquela área que estavam mostrando era do alojamento dos atletas. Me ligaram e falaram o que estava acontecendo. Até agora estão me mandando mensagens”, explicou Ronald. “Os meninos que moram no CT não têm moradia própria no Rio. Os familiares não podem vir, alugar ou comprar casa. Então eles moram no alojamento, almoçam, jantam, fazem tudo no Flamengo. Eu só treino e almoço e tomo café”.

Sonhos interrompidos

Assim como os amazonenses Ronald e Ryan, os jovens atletas vítimas do incêndio no CT do Flamengo tinham sonhos de ser grandes jogadores do clube carioca. Agora, esses sonhos foram interrompidos. “Eu espero que os nossos times sejam mais fortes para lidar com essa situação, que a gente possa jogar por eles. É um momento muito delicado, a gente gostava muito de todos. Os meninos se ajudavam, davam apoio emocional, iam acompanhar os jogos. Agora, a gente vai ter que jogar por nós e por eles”, finalizou Ronald Manaus.

O pai de Ryan, Ronny, falou que o filho estava extremamente emocionado, e por isso não conseguiria falar com a reportagem. Mas, segundo ele, Ryan compartilha do mesmo sentimento de Ronald. “Eu e ele choramos muito juntos, oramos hoje de manhã. Foi um livramento de Deus. Ontem, oito da noite, ele ainda estava lá. Veio para casa e amanheceu aqui. O quarto onde ele dormia foi o que pegou fogo. E ele nem vinha para casa, só viria hoje de manhã. Falei para ele que Deus o deu uma segunda chance, o livrou desse incêndio trágico. Foi um livramento”.

Ryan, conforme o pai, também pensa em continuar com o sonho de ser um grande jogador de futebol e também jogar pelos colegas vítimas da tragédia. “Ele está muito abalado, chora bastante. Ele tinha vários colegas lá. Está muito triste com isso. Mas eu falei para ele não desistir do sonho, falei para ele honrar os amigos dele, honrar o sonho dele e dos amigos”, completou Ronny Andrade.

Incêndio trágico

O incêndio no centro de treinamento do Flamengo deixou dez mortos e três feridos nesta madrugada. Equipes dos bombeiros ainda trabalhavam na manhã desta sexta (8) no combate às chamas no local, conhecido como Ninho do Urubu e que fica situado no bairro da Vargem Grande. As chamas atingiram principalmente os alojamentos onde dormiam os jogadores de base do time.

Nenhum comentário